Coluna do macário batista para o dia 21 de setembro e 2022



O orgulho
Tem que ter orgulho, sim. E ser vaidoso, sim. Orgulho bom, daquele tipo de poder dizer, sem ufanismo, que trabalha porque gosta e como gosta. E vaidade.Vaidade é o que todo mundo tem direito de ter, seja a vaidade de ser bonito, à vaidade de prestar serviço a quem precisa, com gosto e com qualidade. Entendeu, ou quer ue desenhe? Ontem, a mídia nacional se encheu de orgulho e vaidade com o Nordeste brasileiro, com o Ceará, com uma cidade de 30 mil habitantes, na região Norte do Estado, onde está a primeira escola do País, com nota 9,9 no conceito do Ideb. Massapê nos orgulha e envaidece. Ponto. Agora, acordamos com algo extraordinário no mesmo padrão, que é a educação que 20 anos ou mais um pouco, se cunhou no Ceará a partir de Sobral. A notícia é: Sobral conquista primeiro lugar em qualidade da educação no ranking de competitividade dos municípios. E segue: Pelo segundo ano consecutivo, a educação de Sobral conquistou o primeiro lugar em qualidade da educação, segundo o Ranking de Competitividade dos Municípios, relatório realizado em 2021 pelo Centro de Liderança Pública. Essa ferramenta busca pautar a atuação dos líderes públicos brasileiros na melhoria da competitividade dos seus estados. As propostas prioritárias dessa análise são: ferramenta de avaliação da administração pública; sistema de incentivo para os líderes políticos; promoção de boas práticas e o diagnóstico e numeração de prioridades. “Estamos muito felizes por termos conquistado esse resultado pelo segundo ano consecutivo. Isso é reflexo direto do trabalho contínuo que realizamos na rede municipal de ensino de Sobral. Parabéns aos nossos estudantes, professores e todos que compõem a comunidade escolar”, comemorou o secretário da Educação de Sobral, Herbert Lima. Todas as cidades foram avaliadas a partir de 65 indicadores, distribuídos em 13 pilares temáticos e três dimensões consideradas fundamentais para a promoção da competitividade e melhoria da gestão pública dos municípios brasileiros. Foram analisados 415 municípios brasileiros, representando os municípios do país com população acima de 80 mil habitantes, de acordo com a estimativa do IBGE para o ano de 2021. No Estado do Ceará, treze cidade participaram dessa ação: Fortaleza, Sobral, Crato, Juazeiro do Norte, Iguatu, Maracanaú, Quixeramobim, Itapipoca, Caucaia, Pacatuba, Quixadá, Aquiraz e Maranguape.
A frase: "Vocês estão desrespeitando o Brasil. Esse é o funeral da rainha. Mostrem mais respeito!". Cidadão britânico na frente da Embaixada do Brasil em Londres, contra comício de bolsonaristas.
Acaba de graça (Nota da foto)
Anunciado o novo preço do Diesel A, vendido às distribuidoras de combustíveis, desde ontem,R$0,30 centavos a menos. Diz que acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com sua prática de preços. Os encantos de uma eleição.
Meu Deus
Seis meses depois de virar lei, ainda não se autorizou o governo federal a distribuir absorventes para mulheres de baixa renda. O item deveria ser entregue à estudantes carentes da rede pública, moradoras de rua e presidiárias.
Na dela
Enquanto os irmãos Ivo e Cid Gomes se posicionam sobre o voto deles, no segundo turno, no Ceará, se houver, a irmã Lia, candidata a deputada estadual trabalha ao lado de Roberto Claudio, com acertos e apoios no comitê do próprio candidato.
O piso do assistente
O deputado federal Eduardo Bismarck (PDT) apresentou um projeto de lei estabelecendo a criação do piso salarial do assistente social, com reajustes anuais. O PL 2466/22 define a renda mensal dos profissionais em R$ 5.500,00. Fica pra depois da eleição
Sob olhares eletrônicos
Alexandre de Moraes manda desbloquear contas de empresários investigados por financiamento de atos antidemocráticos. Na decisão, o ministro destacou que os empresários, em trocas de mensagens pelo WhatsApp, declararam expressamente a intenção de desestabilizar as instituições democráticas, com ameaça à segurança dos ministros do STF.

Bom dia


 

Enquanto isso, o aeroporto de Sobral, nada...
Anac aprova nova regra para certificação de operação de aeroportos brasileiros
Com a mudança, a agência cobrará a Certificação OACI para terminais internacionais e para aeroportos selecionados a partir de uma análise de risco
Fonte Estadão
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou nesta terça-feira, 20, novas regras para a certificação de aeroportos no Brasil. Com a mudança, a agência cobrará a Certificação Operacional de Aeroportos no padrão da Organização Internacional da Aviação Civil (OACI) para terminais internacionais e para aeroportos selecionados a partir de uma análise de risco. Pela norma anterior, a certificação em nível OACI era demandada para todos os terminais com voos regulares. O último aeroporto a receber essa chancela foi Santos Dumont (RJ), o 63º aeródromo certificado pela Anac. A previsão é de que Congonhas receba o selo até o fim do ano. Com isso, 92% do fluxo da movimentação doméstica acontecerá em aeroportos certificados.
A regra anterior era considerada defasada dentro da agência, que previa sua atualização desde 2020. Uma das razões que motivaram a mudança foi o entendimento de que a cobrança de certificação no padrão OACI para todos os aeroportos com voos reguladores afetava a expansão da aviação regional. De acordo com uma fonte do setor, se uma companhia aérea tinha o desejo de testar um voo a partir de um aeroporto regional, o plano de negócio acabava frustrado pela falta de certificação do terminal. Com a nova regra, se o aeroporto não é internacional ou não se enquadra na classificação específica que será aplicada pela Anac, terá apenas de cumprir elementos mínimos de infraestrutura e segurança operacional estipulados pela agência.
Outro efeito prático da nova regra é a futura revogação de uma portaria que impede o aumento de voos em Congonhas. Isso porque a norma anterior travava a expansão de aeroportos com voos reguladores que não têm a certificação OACI. Após reformas no terminal de Congonhas, a Infraero informou à Anac que terá capacidade de operar 44 movimentos de pouso e decolagem por hora a partir de 26 de março do próximo ano, declaração que foi recentemente publicada pela agência reguladora. Apesar da previsão de Congonhas já estar certificado em 2023, o entendimento é de que a revogação da portaria – com base no novo regulamento – dá maior segurança jurídica para a Anac encaminhar trâmites que devem ser deliberados ainda neste ano com base na nova capacidade, como a distribuição de slots em novembro.

O novo regramento não isenta Congonhas de conseguir a certificação, já que o aeroporto deverá se enquadrar na lista de terminais que a Anac exigirá o selo, segundo apurou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, relação que ainda será publicada pela agência. “A Convenção de Chicago recomenda que a obtenção de certificado operacional de aeroporto seja obrigatória para aeroportos internacionais. Nesse sentido, ao tempo que a área técnica propõe alinhamento a essa aplicabilidade, prevê que aeroportos em que o risco à segurança das operações justifique tal medida também sejam certificados”, explicou o diretor Tiago Pereira durante a reunião da Anac nesta terça. A diferença é que, pela regra aprovada, a vedação à expansão de capacidade enquanto o certificado não é conquistado não é automática, sendo que a Anac pode prever essa ou outras medidas para forçar o aeroporto a buscar o selo.

Isso está na BBC II

 

'Quebra do luto' e 'palanque eleitoral': jornais britânicos repercutem declarações de Bolsonaro antes do funeral da rainha Elizabeth 2ª


Jair Bolsonaro (PL), ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, assina o livro de condolências pela morte da rainha Elizabeth 2ª, em Londres

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Jair Bolsonaro (PL), ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, assina o livro de condolências pela morte da rainha Elizabeth 2ª, em Londres

Veículos de comunicação britânicos repercutiram as declarações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante sua viagem a Londres para o funeral da rainha Elizabeth 2ª.

Tanto jornais de tendência à esquerda, como The Guardian, quanto à direita, como o Daily Mail, abordaram as manifestações do presidente brasileiro sobre política.

Bolsonaro fez discurso em tom de campanha e mencionou vitória em primeiro turno, embora apareça atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas pesquisas de intenção de voto.

"Não tem como a gente não ganhar no primeiro turno", disse na manhã de domingo (18/09) o presidente, na sacada da residência oficial do embaixador brasileiro em Mayfair, Londres.

Sobre as declarações, o Daily Mail escreveu: "Enquanto líderes globais chegam ao Reino Unidos para manifestar seu respeito pela rainha, o líder da direita radical populista Jair Bolsonaro fez um comício em tom agressivo da janela da embaixada de seu país incitando uma multidão com bandeiras".

"Vídeos também mostram apoiadores do líder brasileiro vestindo a bandeira nacional e xingando manifestantes anti-Bolsonaro nas proximidades", afirma ainda o texto.

Manchete do jornal Daily Mail

Crédito, Reprodução/Daily Mail

Já o título da matéria publicada pelo The Guardian diz: "Presidente Bolsonaro usa visita a Londres para funeral da rainha como 'palanque eleitoral'".

No texto, o jornal britânico afirma que o presidente brasileiro "voou para Londres para discursar aos seus apoiadores sobre os perigos dos esquerdistas, do aborto e da 'ideologia de gênero'".

Título do jornal The Guardian

Crédito, Reprodução/The Guardian

Já o Independent escreveu que "o polêmico Bolsonaro aproveitou a viagem a Londres para tentar convencer os eleitores indecisos de sua importância internacional, levando sua campanha política para a viagem".

Um vídeo gravado por Bolsonaro em um posto de gasolina, em que ele comenta o preço do combustível no Reino Unido e o compara ao do Brasil, também foi alvo dos jornais britânicos.

Título do jornal Independent

Crédito, Reprodução/Independent

Na gravação, compartilhada nas redes sociais pelo seu filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL- SP), o presidente afirma que o preço da gasolina britânica em libras é "praticamente o dobro da média de muitos estados do Brasil".

"Estou aqui em Londres, Inglaterra. O preço da gasolina: 1,61 libras (esterlinas). Isso dá aproximadamente R$ 9,70 o litro", diz.

O jornal The Times escreveu que Bolsonaro "aproveitou sua ida ao funeral da rainha para mostrar ao seu país como o combustível é caro em Londres".

A manchete publicada pelo jornal classificado como de centro-direita diz: "Bolsonaro quebra luto para ganhar pontos políticos".

Título do jornal The Times

Crédito, Reprodução/The Times

Questionado nesta segunda-feira (19/09) por jornalistas sobre o tom das reportagens publicadas nos jornais britânicos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou: "Você acha que eu vim aqui fazer política? Pelo amor de Deus, não vou te responder não. Pelo amor de Deus. Não tem uma pergunta decente".

A BBC News Brasil também questionou o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, sobre o tema. O religioso respondeu: "Não dá para separar viagem ao funeral de campanha política, é isso mesmo".

No Twitter, o jornalista britânico e editor de meio ambiente do jornal The Guardian Jonathan Watts disse: "O insensível, superficial e grosseiro Bolsonaro está tentando usar o funeral da rainha como uma parada de campanha eleitoral. Que vergonhoso representante do Brasil".

O comentário de Watts foi feito em resposta a uma postagem do correspondente do jornal The Guardian no Brasil, Tom Phillips, que escreveu: "Bolsonaro decidiu marcar o funeral da rainha com discurso sobre gênero, ideologia, abortos e males do comunismo de sua sacada em Mayfair".

Em reação, Eduardo Bolsonaro, que integra a comitiva do presidente, escreveu que o jornalista britânico omitiu que Bolsonaro mencionou a rainha no início do seu discurso. E afirmou que "vocês se enterram sozinhos, sem credibilidade".

Está na BBC

Britânico pede 'respeito' em dia de funeral da rainha e é hostilizado por bolsonaristas em Londres

  • Ricardo Senra e Giovanni Bello
  • Da BBC News Brasil em Londres
Harvey discute com apoiador de Bolsonaro em Mayfair, Londres

Crédito, Giovanni Bello/BBC News Brasil

Legenda da foto,

Chris Harvey pediu a bolsonaristas que respeitassem dia de funeral da rainha

Um britânico aposentado de 61 anos que passava em frente à residência do embaixador brasileiro em Londres, nesta segunda-feira (19), foi hostilizado por bolsonaristas ao pedir que o público agisse com "respeito" no dia do funeral da rainha Elizabeth 2ª.

O aposentado, que se identificou depois para a equipe da BBC News Brasil como Chris Harvey, deparou com um grupo de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) discutindo com um homem que começou a criticar o presidente.

"Vocês estão na Inglaterra, demonstrem algum respeito, é o dia do funeral da rainha", gritou o britânico após bolsonaristas questionarem o que ele fazia ali e mandá-lo calar a boca.

Bolsonaro está no Reino Unido para participar do funeral e ficou hospedado na residência oficial do embaixador, onde apoiadores se aglomeraram para tentar falar com ele no domingo e nesta segunda-feira.

A confusão começou quando um homem segurando uma bandeira brasileira se aproximou de apoiadores de Bolsonaro dizendo que era cristão, mas que a "religião hoje no Brasil é parcial".

Silas Malafaia, que integra a comitiva de Bolsonaro e estava conversando com apoiadores do presidente naquele momento, puxou um coro de "mito, mito, mito".

O homem com a bandeira brasileira então começou a perguntar, também gritando, por que o público ali presente "não estava preocupado" com as queimadas na Amazônia, "em saber quem assassinou a ex-vereadora Marielle Franco" e com a "origem do dinheiro usado para comprar imóveis da família Bolsonaro".

Os apoiadores do presidente cercaram o homem, chamando-o de petista. Nesse momento, Harvey disse ter visto o que lhe pareceu ser uma situação de intimidação e decidiu intervir: "Esse homem tem o direito de protestar. Essa é a Inglaterra."

Os apoiadores de Bolsonaro, então, também se aproximaram do britânico gritando "Bolsonaro 2022, Bolsonaro presidente". Um dos bolsonaristas disse: "Você não sabe nada do seu próprio país".

"Vocês estão desrespeitando o Brasil. Esse é o funeral da rainha. Mostrem mais respeito! Isso está muito errado, é desrespeitoso com a rainha. O seu presidente não deve estar feliz com o seu comportamento", disse o britânico, em inglês.

Jair Bolsonaro com apoiadores em Mayfair

Crédito, Ricardo Senra/BBC News Brasil

Legenda da foto,

Bolsonaro estava com apoiadores quando manifestante apareceu

Enquanto a confusão acontecia, um grupo de aproximadamente 20 policiais formou um cordão em proteção ao homem que carregava a bandeira do Brasil e que havia iniciado as críticas a Bolsonaro.

Nesse meio tempo, Bolsonaro deixou a residência do embaixador, tirou fotos com apoiadores e entrou num carro sem falar com a imprensa.

Participação no funeral

Bolsonaro chegou a Londres no sábado (18) para participar do funeral da rainha, que morreu aos 96 anos. Ele e outros chefes de Estado foram convidados pelo governo britânico para prestar as últimas homenagens à monarca.

Bolsonaro está acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, entre outros assessores e apoiadores. Ao chegar à residência oficial do embaixador brasileiro em Mayfair, ele fez um discurso da varanda para um grupo de apoiadores que se aglomeraram em frente ao prédio.

O presidente iniciou a fala dizendo que se trata de um momento de pesar e falando em "profundo respeito pela família da rainha e pelo povo do Reino Unido". Disse que esse era o "objetivo principal", mas falou nos cerca de quatro minutos restantes sobre contexto político no Brasil e sobre sua plataforma de campanha à reeleição.

"Não tem como a gente não ganhar no primeiro turno", disse Bolsonaro.

No mesmo dia, ele visitou o caixão da rainha, na Abadia de Westminster, acompanhado de Michelle Bolsonaro e de Silas Malafaia.

Chris Harvey, de 61 anos

Crédito, Giovanni Bello/BBCNews Brasil

Chris Harvey disse que apoiadores de Bolsonaro estavam desrespeitando o Brasil

De noite, gravou um vídeo num posto de combustível criticando o preço da gasolina no país que Elizabeth 2ª reinou por 70 anos.

"Estou aqui em Londres, Inglaterra, o preço da gasolina £1,61. Isso dá aproximadamente R$ 9,70 o litro. Ou seja, praticamente o dobro da média de muitos Estados do Brasil. Então, a gasolina é uma das mais baratas do mundo. É o governo brasileiro trabalhando para você", disse Bolsonaro, no vídeo, sem mencionar que o poder de compra médio dos moradores da Inglaterra é muito maior que a dos brasileiros.

Questionado sobre Bolsonaro falar em campanha eleitoral em meio às cerimônias fúnebres da rainha, o ex-secretário de comunicação do governo Bolsonaro, Fábio Wajngarten, que fez parte da comitiva do presidente na viagem a Londres, argumentou que o presidente iniciou sua fala hoje falando do funeral.

Malafaia, por outro lado, disse que não dá para "fingir que não está tendo um processo eleitoral no Brasil".

Repercussão na imprensa britânica

A imprensa britânica registrou os acontecimentos durante a passagem do presidente brasileiro por Londres.

Tanto jornais de tendência à esquerda, como o The Guardian, quanto à direita, como o Daily Mail, abordaram o discurso do presidente na residência oficial do embaixador.

"Enquanto líderes globais chegam ao Reino Unidos para manifestar seu respeito pela rainha, o líder da direita radical populista Jair Bolsonaro fez um comício em tom agressivo da janela da embaixada de seu pais incensando uma multidão com bandeiras", publicou o Daily Mail.

Já o Guardian disse que o "Presidente Bolsonaro usa visita a Londres para funeral da rainha como 'palanque eleitoral'".

O jornal The Times escreveu que Bolsonaro "aproveitou sua ida ao funeral da rainha para mostrar ao seu país como o combustível é caro em Londres".

E reportagem do Independent diz que "o polêmico Bolsonaro aproveitou a viagem a Londres para tentar convencer os eleitores indecisos de sua importância internacional, levando sua campanha política para a viagem".

O dia

 


A terça feira vem assim. O Sol é tão claro que nos remete a velhos textos.

Nelson Rodrigues afirmava que "outrora, os melhores pensavam pelos idiotas; hoje, os idiotas pensam pelos melhores. Criou-se uma situação realmente trágica: — ou o sujeito se submete ao idiota ou o idiota o extermina. " Vejam: Nelson não viveu com redes sociais eletrônicas. A internet liberou o pudor com a imbecilidade. Não há mais vergonha em não saber algo: proclama-se como virtude a ignorância. O especialista que trata de um tema há décadas é equiparado à opinião do leigo. O técnico tem de enfrentar alguém que debate porque leu algo na Veja ou na UOL. Você estuda há 30 anos Shakespeare? Ah, eu li ontem um resumo do Hamlet e acho que...Da presidenta ao porteiro: todos apresentam suas opiniões "abalizadas" sobre astecas, mandioca, inflação e história da Mongólia. O Febeapá de Stanislaw Ponte Preta ficou limitado. Que falta faz Nelson Rodrigues,diz o Karnal.
Aproveita , se fez o primário bem feito e olha aí...


Izolda vai ao Castanhão

 

Em Jaguaribara, governadora Izolda Cela autoriza pavimentação da CE-273 para favorecer escoamento da produção agrícola
Thiago Gaspar - Fotos

 Asfaltamento dos 16 km da estrada conecta BR-116 às comunidades rurais que têm como potencial produtivo a piscicultura e agricultura 


A governadora Izolda Cela esteve, na manhã desta segunda-feira (19), em Jaguaribara, para assinar a ordem de serviço da pavimentação da rodovia CE-273. A estrada fica entre o entroncamento com a BR-116 e o perímetro irrigado de Curupati, situado às margens do Açude Castanhão. A solenidade contou com a presença do prefeito de Jaguaribara, Joacy Júnior; do superintendente de Obras Públicas, Quintino Vieira, e outras autoridades.

Izolda Cela destacou a importância da estrada, que é a única rota para o escoamento da produção agrícola e pesqueira, principais atividades econômicas da região. "Estrada em boa condição traz mais segurança e conforto, principalmente para regiões importantes como Jaguaribara. É fundamental quando essas obras têm relação direta com a melhoria de qualidade de vida das pessoas, trazendo mais desenvolvimento", afirmou.

O trecho de 16 km receberá serviços preliminares, terraplanagem, drenagem, pavimentação, revestimento asfáltico, proteção ambiental e sinalização vertical e horizontal. A obra, que terá aproximadamente R$ 7 milhões em investimento, será executada sob coordenação da Superintendência de Obras Públicas (SOP).

Estrada pavimentada reduz custos de produção e atrai compradores para os piscicultores e agricultores como Josieliton Dantas, 42, que mora em Curupati. Josieliton está na comunidade desde 2002, quando se mudou da antiga Jaguaribara, que foi esvaziada para a inundação decorrente da construção do Açude Castanhão. Hoje, ele trabalha com frutas, cereais e produção de leite. "Essa estrada representa um recomeço para nós, que já recomeçamos outras vezes. A gente sofre concorrência desleal com outras comunidades produtivas, porque os feirantes sentem dificuldade em vir comprar aqui por conta da condição atual da estrada. A pavimentação vai fazer a gente crescer bastante", definiu.

"A CE-273, além de melhorar a segurança da trafegabilidade das pessoas, vai trazer mais desenvolvimento econômico para Jaguaribara ", reforçou o prefeito Joacy Júnior.

Na oportunidade, a governadora Izolda Cela visitou a Escola Municipal de Ensino Fundamental Raimundo Diógenes Paes, no assentamento Sossego, localizado no entroncamento da BR-116 com a estrada para Curupati. 

A missa do dia 20

Juazeiro do Norte volta a celebrar nesta terça feira a Missa do Dia 20, em sufrágio da alma do Padre Cícero, agora, formalmente "santo" da Igreja católica. Nossa TV Padre Cícero, que manda imagens da missa para o mundo, manda também para este humilde repórter.

Especial do jornal OEstadoCe

 


Brigas judiciais dão o tom de embates na eleição estadual

Na última semana, a governadora Izolda Cela (sem partido) declarou publicamente a intenção de tomar medidas judiciais contra declarações do ex-prefeito Roberto Cláudio (PDT), que disputa o Governo do Estado nas eleições deste ano. A decisão é reação a acusações feitas por RC sobre suposto manejo ilegal de recursos da gestão estadual para beneficiar as candidaturas petistas. O caso, no entanto, está longe de ser isolado no que diz respeito à judicialização de disputas no pleito, tema que, no Ceará, tem sido uma constante nos embates da eleição deste ano.
Também na última semana, a Justiça determinou que a Prefeitura de Fortaleza removesse placas com utilização do número 12 e da cor amarela espalhadas pela cidade, a pedido da coligação petista. Conforme a sustentação do partido, as sinalizações seriam uma tentativa de fazer propaganda eleitoral subliminar para Roberto Cláudio, que é apoiado pelo prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT).
“Sustenta não ser o caso uma mera coincidência, e sim uma propaganda eleitoral subliminar em benefício do candidato representado, sendo visível a utilização da máquina pública para fins eleitoreiros, o que, em tese, caracterizaria a prática da conduta vedada”, diz o documento apresentado pelo PT. Em um dos casos destacados, a gestão anunciou ter entregue 17 creches, com a 12ª tendo sido inaugurada em 8 de fevereiro deste ano. O outdoor exposto, contudo, ostentava o número de Roberto Cláudio na urna.
Também recentemente, a campanha de RC acusou a campanha petista de uso irregular do tempo de propaganda em rádio e TV, com material sobre as candidaturas majoritárias entrando no tempo reservado aos candidatos a cargos proporcionais (deputados estaduais e federais). A ação apontava o uso da frase “Ceará três vezes mais forte” e foi acatada pelo juiz auxiliar Leonardo Resende Martins, do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE), que considerou “clara referência” aos postulantes que disputam cargos majoritários – no caso, Elmano, para governador; Camilo Santana (PT), para senador; e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), para presidente.
A coligação Ceará Cada Vez Mais Forte, que engloba as candidaturas petistas, se pronunciou em nota ressaltando que as campanhas proporcionais fizeram uso da frase à revelia da campanha majoritária, mas pontuando que respeita a decisão da Justiça Eleitoral.
As disputas, no entanto, não envolvem apenas os candidatos do PT e do PDT: no início deste mês, a coligação União pelo Ceará, de Capitão Wagner (União Brasil), impetrou ação contra a candidata a vice na chapa de Elmano, Jade Romero (MDB), por propaganda eleitoral irregular. A Justiça acatou o pedido e determinou que ela pagasse uma multa de R$ 5 mil. O caso dizia respeito à promoção do nome de Elmano nas redes sociais de Jade sem que houvesse registro do perfil junto à Justiça Eleitoral, violando a legislação. O código eleitoral prevê que qualquer endereço eletrônico com propaganda eleitoral na internet deve ser comunicado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao registrar a candidatura.
Também de iniciativa da campanha de Wagner, uma ação protocolada na Justiça no mês passado apontava que a janela de Língua Brasileira de Sinais (Libras) em um vídeo de campanha de Elmano e Camilo não cumpria as determinações definidas em lei. O TRE acatou a posição e decidiu que fosse retirada do ar a peça publicitária.
Os casos citados acima sequer citam as reviravoltas judiciais dentro dos partidos políticos, ocorridas principalmente durante a pré-campanha, até o mês de agosto. O PSDB, por exemplo, mudou diversas vezes de posição, entre apoiar Roberto Cláudio e ficar neutro na eleição, em meio a disputas sobre a presidência do diretório. O Pros esteve no centro de um cabo de guerra entre as coligações do PT e do União Brasil, enquanto o PP foi retirado e voltou à campanha petista.

Assembleia integra Observatório da Intolerância Política e Ideológica

 


A Assembleia Legislativa do Ceará passou a integrar o Observatório da Intolerância Política e Ideológica, coordenado pela Defensoria Pública do Estado do Ceará (DPCE). A entrada do Legislativo estadual se deu por meio de sua Comissão de Direitos Humanos e Cidadania (CDHC). O observatório, criado em 2018, conta com a participação de um total de 10 entidades e instituições.
A Comissão participou de uma reunião para tratar sobre a ampliação da atuação da entidade durante a campanha eleitoral. O encontro tratou sobre a necessidade de expandir a atuação nesse período, com o objetivo de receber denúncias e relatos de crimes ou condutas que violam os princípios democráticos de convivência e de expressão no estado, dar encaminhamento devido para que sejam tomadas as medidas extrajudiciais e judiciais cabíveis, acompanhar a apuração civil e criminal, além de dar suporte às vítimas.
A Assembleia foi representada na reunião pela secretária da CDHC, Patrícia Oliveira. Ela destaca que os participantes fizeram uma análise de experiências nas eleições anteriores, quando já era identificado um aumento do tensionamento político, que contribuiu para gerar polarizações e casos de violência.
Ela avalia que esse momento de conflito se renova neste ano, com mortes e atentados ocorridos dentro de contextos de divergências políticas. Por isso, ressalta a importância do trabalho do Observatório, por ter caráter interinstitucional, aberto a todo tipo de denúncia de todas as correntes políticas, trazendo debates, ajudando a prevenir casos de intolerância e sendo um canal de investigação e acolhimento para as vítimas.
“Existe uma preocupação com o dia das eleições, de evitar situações de violência nesses dias. Por isso, durante a reunião, já saiu a decisão de agendar com o Ministério Público Eleitoral, com a Justiça Eleitoral e com a Secretaria de Segurança Pública para pensar de forma conjunta numa força-tarefa de prevenção dessas situações de violência”, pontuou Patrícia.
Participam do Observatório da Intolerância Política e Ideológica: a Defensoria Pública do Estado Ceará (DPE-CE); a Defensoria Pública da União (DPU); a Ouvidoria Externa da Defensoria; o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE); a Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Ceará (OAB-CE); o Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDDH); o Comitê de Memória, Verdade e Justiça; a Associação Juízes para a Democracia; a Associação dos Amigos da Casa Frei Tito e a Associação Brasileira Juristas pela Democracia.

Sem volta

Analistas e observadores da cena política, comentam, no dia a dia, não mais o comportamento de Ciro Gomes em relação a Lula da Silva, ou mesmo sua posição de criar a votação do PDT que escolheu Roberto Cláudio candidato do partido ao governo do Ceará. Desde o princípio, afirmam fontes, a candidatura estava as mãos de Izolda Cela que disputara o governo no exercício do cargo, logo que Camilo Santana, como era previsto, deixasse o Palácio da Abolição para disputar a vaga do senado federal, deixada por Tasso Jereissati que anunciou parar de disputar mandatos.
O que chama atenção da população e desses observadores é o comportamento, tido como agressivo da campanha de Roberto Cláudio, que não vai diretamente aos adversários mais bem avaliados, no caso de Elmano de Freitas e do sr. Wagner. O discurso tem sido dirigido à governadora Izolda, numa maratona de inaugurações e viagens pelo interior, onde obras são vistoriadas e outras tantas a nunciadas como estava previsto na planilha de Camilo,quando governador ou dela própria, no comando do Estado.
Defensores do trabalho de Izolda Celano Governo, como o senador Cid Gomes, são enfáticos na defesa da mandatária. Sempre “algodão entre os cristais” Cid Gomes usou todo seu cabedal político ficando de fora das disputas no primeiro turno, numa clara demonstração de que não comprou a posição do irmão Ciro, mas defendeu Izolda como uma “pessoa séria e de grandes serviços prestados ao Ceará”.
O embate entre os ex-aliados acentua o racha entre PT e PDT, que romperam aliança e lançaram candidaturas individuais desde que a governadora foi preterida por Roberto Cláudio na disputa pelo Palácio da Abolição. Na época, a legenda petista alegou que, ao escolher o ex-prefeito da Capital, os pedetistas provocaram “rompimento tácito e unilateral”.
Tudo começou com a chapa encabeçada por PDT e PSD denunciando “recorrente abuso de poder político e econômico” por parte dos adversários. Sendo assim, eles apresentam uma série de denúncias de “benesses” que estariam sendo ofertadas a prefeitos que apoiam Elmano como “serviços, programas e obras, contratados e executados diretamente pelo Estado”.
Além da suspensão a ação da coligação de RC pede: a proibição de celebração de aditivos e assinatura de novos convênios até a posse dos eleitos na eleição deste ano, busca e apreensão em vários órgãos do governo cearense, além da cassação dos registros de Elmano, Camilo Santana (PT) e a candidata a vice da chapa, Jade Romero (MDB).
Quem também defendeu a gestora foi o ex-governador do Ceará Camilo. Se referindo a governadora como “querida”, o petista disse que Izolda foi “atacada de forma injusta e oportunista” e, em seguida, completou: “É preciso mais respeito na política”.
O candidato Elmano, chamou a chefe do Executivo cearense de “mulher séria, honrada e competente”, acrescentando que “o povo cearense reconhece isso”. O prefeito de Caucaia, Vitor Valim (sem partido), repudiou o que classificou como “acusações levianas” contra Izolda. “Vem conduzindo nosso estado com ética e grande espírito público”, ressalta, na continuidade das avaliações sobre trabalho da governadora e sua postura político-administrativa.
Isso dá um ponto final naquilo que foi uma união de 16 anos no Ceará,iniciada em Sobral, quando Cid Gomes chamou o petista Veveu Arruda e o convidou para ser vice na chapa encabeçada por Leônidas Cristino que deixou a prefeitura pra ser Ministro o que fez Veveu ser eleito prefeito para um segundo mandato. Não tem volta, por mais que haja habilidade de Cid, avaliou uma fonte conhecida na politica de Sobral, onde viemos analisar o quadro.
(Macário Batista-Editor de Política).